“The Lady tasting tea”

por: Lucia Malla Ciência, Economia, Educação, Livros

De “The Lady Tasting Tea“:

“Numbers do not lie, but they have the propensity to tell the truth with intent to deceive.”

(Eric Temple Bell, matemático americano)

O título pouco alude à real temática do livro. Quer dizer, a não ser que você o leia e entenda por que a senhora testava o chá. “The Lady tasting tea”, de David Salsburg, conta a história e as estórias por trás das grandes descobertas e revoluções da Estatística. Que é um campo científico que surgiu como parte da Matemática no final do século XIX, demorando muito para se estabelecer independente da mesma.

The Lady Tasting TeaNão há um personagem principal. Mas há, claro, a genialidade de R. A. Fischer, mostrada em diversos capítulos. Fischer é sem dúvida o pai da Estatística. Delineou o método experimental de testar hipóteses que usamos até hoje na ciência em seu clássico fundamental “Studies in Crop Variation”. Esta é, aliás, uma série de relatos que pelo título não mostram nada a que vieram. Mas que são enfim o pilar da Estatística para a ciência.

É fantástica a percepção que “The Lady tasting tea” traz ao leitor, do quão crua era a forma de conduzir a ciência antes das divagações matemáticas de Fischer e Karl Pearson. Até hoje, aliás. Afinal, para mais de 90% das pessoas, Estatística se limita ao trinômio média/desvio-padrão/erro-padrão. O livro mostra em linguagem acessível para não-matemáticos (não tem uma fórmula sequer) que a Estatística vai muito além disso, mesmo em questões triviais.

Uma aula divertida e fluida de um campo de fundamental valor para todos, sem exceção. Recomendo.

Tudo de estatística sempre.

P.S.

  • Aproveitando o post matemático-livrístico, o Catatau fez há um tempo um post muito interessante sobre a nova mania brasileira de estatística e as questões amazônicas. Vale a leitura.
  • Para ler outras resenhas de livro feitas aqui no blog, clique aqui.


134
×Fechar