Dos arquivos da National Geographic

por: Lucia Malla Antigos, Fotografia, Montanhismo

Meu sogro está fazendo uma limpeza numas caixas antigas aqui em casa. São muitas, e de vez em quando verdadeiras preciosidades ressurgem nestes arquivos, em meio a mofo e poeira. Como a coleção de revistas National Geographic da década de 50.

(Confesso que ainda não me afundei nessas descobertas, e me prometo há semanas dar uma folheada pelas reportagens antigas, mas nunca o faço; e as revistas continuam empoeirando, agora na mesa da garagem. Das poucas revistas que folheei, terminei encontrando uma reportagem sobre o Lago das Águas-Vivas em Palau maravilhosa… São muitas revistas e requerem tempo para aproveitar cada página com o devido respeito que merecem. Mas sei que mais jóias ressurgirão assim que eu encarar a pilha amarelinha.)

Na edição acima, de novembro de 1955, que fiz questão de escanear e colocar aqui, há uma reportagem sobre a conquista do Everest e de outros picos himalaios pela equipe de Sir Edmund Hillary e Tenzing Norgay, com detalhes da rotina nepalesa além do Everest (a reportagem chama-se “Beyond Everest”). A foto que acompanha o relato é uma pérola à parte.

Eis Sir Hillary no acampamento-base do Everest escrevendo a história de sua aventura numa máquina de escrever, em meio ao gelo e ao ar rarefeito. Para mim, é uma foto clássica, que revela uma época em que o montanhismo era mais romântico, talvez. Em tempos de tocha olímpica no Everest a qualquer custo, relembrar que um dia contar as aventuras sobre escalar montanhas já foi assim, em lento low-tech, nos ajuda a refletir melhor sobre as prioridades e avanços que vivemos atualmente.

Tudo de bom sempre.



115
×Fechar