Wildlife Photographer of the Year 2008 – Minhas fotos prediletas

por: Lucia Malla Animais, Antigos, Arte, Fotografia

Ontem foram anunciados, em jantar solene no Museu de História Natural Britânico, os vencedores do BBC Wildlife Photographer of the Year 2008, o mais prestigiado concurso de fotografia de vida selvagem no planeta. Como fiz em 2006 e 2007, escolhi as cinco imagens que gostei mais dentre as premiadas e reproduzo aqui. Afinal, cinco é o limite que o Museu permite para divulgação pela imprensa e em blogs, sem infringir direitos de reprodução do concurso nem os direitos autorais do fotógrafo. Esta mensagem foi dita pessoalmente para mim pela diretora do concurso quando André venceu em 2006. Como não sei se a regra mudou, exponho cinco, apenas.

No final de setembro, o Guardian publicou 5 fotos que haviam sido selecionadas. Nenhuma delas havia vencido categoria alguma de acordo com eles, mas a seleção já dava uma leve noção da alta qualidade das belezas que viriam pela frente. Em seguida, a New Scientist também publicou 5 fotos selecionadas, sendo 2 diferentes das do Guardian – uma paisagem lindíssima da Namíbia inclusa.

Resultado final

Ontem à noite, começaram a pipocar na internet as notícias do jantar deste ano. O Amateur Photographer mostrou a foto vencedora da categoria infantil – de cair o queixo de tão moody. Ellen Anon postou a sua foto vencedora, mas não disse a categoria. Andy Biggs, vencedor na categoria Wild Places, anunciava felicíssimo a novidade em seu blog. Sua foto é simplesmente perfeita, da Costa do Esqueleto da Namíbia, o meu sonho de consumo viajante número 1 desde sempre.

(Aliás, foram várias fotos da Namíbia premiadas, tiradas por diferentes fotógrafos. O que só me dá mais certeza de que é um dos últimos refúgios realmente selvagens de vida animal. Namíbia is the place to go)

No geral, achei as fotos bem poéticas e menos preocupadas com tecnicalidades. O que é bom, enfim. Se tem algo que me irrita é ver uma foto maravilhosa, um assunto difícil de ser fotografado ser criticado por besteira. Geralmente uma crítica superficial, do tipo “Ah, mas o horizonte está torto!” ou “Ah, o bicho está fora de foco” ou pior ainda “Ah, mas o animal está de costas“. Tudo dito com aquela cara de conteúdo, como se o fotógrafo não soubesse e como se não fosse aquela característica exata que ele quer ver refletida na foto.

O prêmio desse ano, a meu ver, deu um tapa de luvas de pelica nessa tecnicalidade excessiva e desnecessária, celebrando os pseudo-erros – que na verdade são grandes acertos quando se quer contar uma história através da imagem. Viva a desamarra técnica superficial.

(Os júris do Wildlife Photographer of the Year deste ano pareceram também querer dar o seguinte recado escolhendo estas imagens como vencedoras: “Com a câmera digital qualquer um pode ter uma imagem ótima, mas a poesia… ah! essa é qualidade de poucos; e é ela quem vence, o maior diferencial da fotografia atual.”)

Aconselho a todos a visitarem a galeria online do Museu Britânico para verem todas as fotos vencedoras de todas as categorias, porque estão muito belas. Parabenizem especialmente o brasileiro Adriano Ebenriter, que ficou entre os specially comended na categoria Animal Portrait, com uma foto striking de coruja curiosa, tirada nas dunas da linda Florianópolis (Parabéns, Adriano!!! 🙂). Celebrem com Nuno Sá, fotógrafo sub português que nadou com orcas em Açores e terminou com uma foto vencedora fascinante que dá a exata sensação de estarmos dentro do ambiente, sermos parte do mundo selvagem (e não somos mesmo? 😉 ).

E um detalhe meu organizacional: a foto de Andy Biggs é a que eu mais gostei de todas as vencedoras. Mas como ele postou em seu blog e eu tenho uma restrição de cinco para escolher, prefiro que vocês vejam lá, ok? Aproveitem a viagem pelo The Global Photographer e dêem os parabéns a ele, porque ele merece. 🙂

Vamos então parar de enrolação e mostrar logo as minhas favoritas de 2008. 😀

Natureza em Preto & Branco

Runner-up na categoria Natureza em Preto & Branco, a foto é simples e ao mesmo tempo de uma força inominável. Os contrastes estão belíssimos. As aves da foto são migratórias, e voam entre Ártico e Antárctica durante o ano. Acho que a simplicidade foi outra vencedora no concurso deste ano, porque as imagens em geral são simples, falam com poucos detalhes, como essa minha predileta. Maravilhoso.

Creative Visions of Nature

Já se viu imagem de urso polar de todo jeito por aí. Como o animal virou símbolo do aquecimento global, é lugar-comum fotografá-lo perto do gelo – se estiver derretendo, então, melhor ainda. Miguel Lasa conseguiu retirar o componente “gelo” e trazer o “calor” do sol pro urso de uma forma extremamente criativa, diferente. E muito artística. Eu amei pela escolha do approach, pela visão e criatividade do fotógrafo. A foto venceu a categoria Creative Visions of Nature.

Vencedora geral do Wildlife Photographer of the Year 2008

A vencedora geral do WPY deste ano foi também uma das minhas prediletas deste ano (o que não é comum). Fotografada com câmera remota, mostrou que na era das digitais, está valendo toda técnica para obter uma boa imagem – e Steve ficou 10 meses para conseguir a imagem única vencedora. O leopardo da neve é um animal criticamente ameaçado de extinção. Vive na Ásia Central e o da foto foi visto nas montanhas do Parque Nacional de Altitude Ladakh’s Hemis, na Índia. O fotógrafo Steve Winter ganhou o prêmio especial de Vida Ameaçada com 3 imagens, essa e outras 2 também muito marcantes.

Young Wildlife Photographer of the Year 15-17 anos

Outra foto “simples” do último suspiro do outono numa floresta de coníferas. Muito bem feita, extremamente poética, rio de fogo que se foi… perfeita, em minha opinião. O fotógrafo Michal Budzynski ficou entre os vencedores na categoria 15-17 anos – é meus caros, o menino tem muito futuro, como podemos perceber na visão sensacional que ele mostrou esse ano com sua imagem vencedora. By heart, total.

Namíbia… again

Wildlife Photographer of the Year 2008

Uma família de avestruzes passeando pelas dunas da Namíbia (mais uma vez, esse país maravilhoso…). Dan Mead conseguiu clicar um momento belíssimo, em que a prole atrás forma espirros de vida na imensidão da areia. Amei.

É isso aí, pessoal. Vão lá na galeria ver as outras fotos. Encantem-se com a vida selvagem. Parabéns a todos os vencedores por trazerem visões maravilhosas de um mundo natural que cada vez mais se esvai. E até o Wildlife Photographer of the Year 2009! 🙂

Tudo de foto sempre.



181
×Fechar