Sexta Sub: águas havaianas

Hoje é o Blog Action Day 2010, um dia em que a blogosfera mundial se inunda de posts sobre um tema único. O tema deste ano é mais que essencial, além de pertinente e abrangente: “Águas”. E eu me pego pensando na água nossa de cada dia. Aqui, no meio do mar. As águas havaianas.

Águas havaianas

 

O ciclo hidrológico no Havaí

No Havaí, mais de 90% da água doce potável que chega nas casas vem de aquíferos no subsolo, que são alimentados por precipitação das chuvas – a água da chuva penetra no solo, passa pela camada de rochas vulcânicas que compõem as ilhas e fica naturalmente filtrada e fresca pelas paredes de lava que petrificaram, riquíssimas em minerais.

Só que, por estarmos em ilhas oceânicas, os aquíferos estão também circundados por rocha porosa derivada de corais mortos e sedimentos orgânicos. Tal proximidade da água salgada do mar gera o primeiro grande problema do abastecimento havaiano: a intrusão de água salgada. Afinal, não podemos beber água salgada. Esta intrusão acontece quando os níveis de água doce de um aquífero se reduzem, o que “força” o sistema a absorver mais água de onde estiver mais perto – no caso o oceano. Portanto, a qualidade da água que a gente consome aqui depende muito do clima. Afinal, sem chuva, não há água doce.

A sustentabilidade com as águas havaianas

Por outro lado, Oahu está obviamente cercada de água por todos os lados. Salgada, entenda-se. A água do oceano Pacífico é parte fundamental da cultura, da sociedade, do ecossistema local, da vida por essas bandas. E também da tecnologia. Vem das profundezas do Pacífico um projeto pioneiro que utiliza as águas havaianas do mar como fonte de refrigeração de prédios no centro de Honolulu. O projeto já foi bastante elogiado. Contudo, sua  plena implantação só será possível graças à proximidade de um grande precipício marinho. Porque a profundidade ao redor do arquipélago cresce bruscamente a poucas milhas da costa.

(E eu trabalho num dos prédios usados como “teste” para tal tecnologia. Vocês não imaginam a minha felicidade em saber que trabalho num prédio um tiquinho que seja mais “verde”… #pequenosprazeres)

Conclusão

Doce ou salgada, o fato crucial é que dependemos de água pra viver. A doce para nossa sobrevivência individual imediata; a salgada, para nossa sobrevivência a longo prazo, como espécie. E o Havaí, com tal dicotomia tão claramente entrelaçada e à mostra por todos os cantos por onde a gente vai, me serve como um exemplo rotineiro da intricada interação que fascina e mantém à vida.

Tudo de água sempre. Doce ou salgada.

P.S.



384
×Fechar