No Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou

por: Lucia Malla Artes Plásticas, Melanésia, Nova Caledônia, Viagens

Para nos prepararmos para a viagem de dezembro pelo Pacífico Sul, nós pesquisamos por mais de 3 meses sobre cada local por onde passaríamos. Passeios, onde mergulhar, o que provar da culinária, etc. E buscando informações sobre Noumea, a dica principal da Silvia e de todos os guias que consultei era uma visita ao Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou. De modo que assim que chegamos em Noumea, depois de mergulhar, fomos direto para o local.

Tjibaou, o líder kanak

O Centro Cultural Tjibaou leva esse nome em homenagem a Jean-Marie Tjibaou, líder kanak (povo melanésio que habita a Nova Caledônia) que lutou pela independência da Nova Caledônia. Apesar de pregar a não-violência, Tjibaou foi assassinado em 1989 por outro líder kanak. Como nome mais proeminente da cultura kanak, quando o governo francês decidiu construir na capital Noumea um Centro Cultural que valorizasse e divulgasse a cultura kanak, Tjibaou foi imediatamente lembrado. E o Centro Cultural foi então batizado com seu nome.

Centro Cultural Jean Marie Tjibaou - By Renzo Piano - Noumea - Nova Caledônia

A influência européia na Nova Caledônia, entretanto, não se deixa esquecer. O Centro Cultural Tjibaou é acima de tudo uma obra de arte arquitetônica. Inspirado na forma das casas tradicionais kanaks, as cases, que são altíssimas, no design do prédio elas estão aparentemente “cortadas”, para simbolizar a união das 2 culturas predominantes da Nova Caledônia: os kanaks e os franceses.

Arquitetura inovadora de Renzo Piano

Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou - maquete - Noumea - Nova Caledônia

Maquete geral do Centro Cultural Tjibaou.

O Centro Cultural foi desenhado pelo arquiteto genovês Renzo Piano – o mesmo que bolou o Aeroporto de Kansai no Japão, o Centre Georges Pompidou em Paris e o prédio da Academia de Ciências da Califórnia. Premiado em 1998 com o “oscar” da arquitetura, o Prêmio Pritzker, Piano optou em Noumea pelo design arrojado todo feito em madeira (mas que nos dá de longe a sensação de metal) do Centro Cultural, homenageando e celebrando a própria cultura kanak, já que cada prédio do Centro Cultural lembra as cases formando uma “vila”.

Centro Tjibaou - biblioteca - Noumea - Nova Caledônia

Biblioteca com ênfase nas obras kanaks.

Centro Cultural Tjibaou - maquetes arquitetônicas - Noumea - Nova Caledônia

Exposição da maquete de construção do Centro Tjibaou.

Centro Cultural Tjibaou - desenhos de Renzo Piano

Os desenhos originais de Renzo Piano viraram a decoração de uma das janelas da mesma sala.

Por dentro do Centro Tjibaou

É muito bacana. Mas num nível de bacanice que eu não esperava. Por mais que visse fotos, tinha uma idéia bem diferente do Centro – que seria mais um museu-galeria. É também um museu, mas não é só isso. Dentro do Tjibaou, cada case tem uma “função” diferente. Há bibliotecas, salas de cinema e anfiteatro, galerias de arte e registros históricos. Também há um jardim agradável e uma trilha dentro de um manguezal onde são indicadas algumas das principais plantas típicas da região.


Faça sua reserva de hotel em Noumea pelo Booking.

Reserve seu carro alugado em Noumea pela RentCars.

Compre sua passagem aérea para a Nova Caledônia pela Viajanet.

Proteja sua viagem à Nova Caledônia com um seguro de viagem da Seguros Promo.


 

Além de uma tradicional case kanak mesmo, com as esculturas kanaks no jardim e tudo. Ali há apresentações tradicionais, exposições de arte, grupos de discussão, etc. A sensação que me deu foi de um espaço vivo, e isso foi o mais bacana.

Centro Tjibaou - Case kanak - Noumea, Nova Caledônia

Case tradicional kanak.

Centro Cultural Tjibaou - cultura kanak - Nova Caledônia

Esculturas-totem kanaks no jardim. Os panos amarrados são ofertas, que ainda são tradicionalmente feitas na Nova Caledônia, principalmente nos vilarejos mais afastados. Ao visitar um desses locais, o visitante leva um pedaço de pano como agrado pela recepção da comunidade a ele.

Centro Tjibaou - pilar de sustentação casa kanak - Nova Caledônia

Detalhe decorativo do pilar de sustentação dentro da case kanak.

Visita ao Centro Cultural Tjibaou

Eu já tinha chegado a um dia e meio em Noumea, vinda de Fiji, mas foi só ali, naquele jardim de frente para a obra-prima da arquitetura, é que finalmente emocionadíssima me caiu a ficha: “sim, estou finalmente de frente ao monumento mais esperado da viagem, realizando um sonho.”

Centro Cultural Tjibaou - Noumea - Nova Caledônia

Uma Malla (e a Silvia) no Centro Cultural Tjibaou, no momento em que a ficha caiu.

Passeamos uma tarde ensolarada inteira pelo Tjibaou, em ritmo de admiração total. O Centro fica há uns 10 minutos de carro do centro de Noumea, numa península de frente pro mar.

Centro Cultural Tjibaou - Noumea - Nova Caledônia

Centro Tjibaou visto de trás.

Centro Cultural Jean-Marie Tjibaou

Do alto, a vista é ainda mais impressionante. Além da inspiração das cases, a forma como foram construídas à beira-mar no alto do morro lembra também os pinheiros que formam um paredão por boa parte do litoral da Nova Caledônia, como se fossem de longe um gráfico de sismos.

Não sei o quanto viagem minha na maionese é, mas acho que Piano no fundo uniu a inspiração cultural kanak à inspiração natural pinheirística ao redor numa só obra de arte. Extremamente harmônico com a paisagem e simplesmente inesquecível.

E, do alto de um morro lateral ao Centro Cultural, uma estátua de Jean-Marie Tjibaou, como a olhar de longe o movimento, lembra a todos que a cultura kanak poderia ser mais conhecida e apreciada.

Uma visita de sonho, para ficar marcada na memória.

Tudo de bom sempre.

P.S.

  • Uma entrevista com Emmanuel Kasarherou, diretor cultural do Centro Tjibaou, sobre detalhes dos jardins, da arquitetura e da cultura kanak.
  • E pra não dizer que não falei das flores… Ou melhor, do pênis. Os kanaks antepassados têm a tradição de decorar o pênis, como vários outros povos melanésios. Aliás, fotos de diversos adornos típicos de pênis aqui. Há uma lenda na cultura kanak de que um gigante se apaixonou por uma deusa. No processo de se relacionar com a moça, criou um vulcão e uma das passagens da barreira de coral em frente a Noumea com seu pênis. A escultura ao lado é em homenagem a tal lenda. Fica exposta na área principal do Centro Cultural. 🙂
  • A Sibele deixou no twitter um link pra um artigo da revista Arquitextos muito bacana sobre a arquitetura do Centro Cultural Tjibaou. Muito legal! Valeu, Sibele!

Booking.com


485
×Fechar