Na Costa do Níquel

por: Lucia Malla Ecologia & meio ambiente, Economia, Melanésia, Nova Caledônia, Viagens

Um dos grandes prazeres de uma viagem para mim vem do inesperado. Aquilo que você não planejou, mas que de repente vira uma experiência inusitada. Quando estivemos na Nova Caledônia em dezembro passado, sem dúvida dirigir pela costa sudeste do país – que nós apelidamos de “Costa do Níquel” – foi um caso desses.

Na costa do níquel - aéreo Nova Caledônia

Morro escavado para mineração de níquel.

A Nova Caledônia e o níquel

A Nova Caledônia está entre os 5 países com os maiores depósitos de níquel no mundo – os outros quatro são Canadá, Indonésia, Austrália e Rússia, cujas áreas territoriais são gigantescas comparadas com os minúsculos ~18,000 km2 da Nova Caledônia. Mais: a qualidade do minério de níquel extraído na Nova Caledônia é superior a maior parte do níquel encontrado em outras regiões. Isto torna a indústria mineradora de lá ainda mais cobiçada. Cerca de 10% do níquel utilizado no planeta vem da Nova Caledônia, e a exploração do mineral e produtos derivados dele são responsáveis por 97% das exportações. Noventa-e-sete-porcento.

Ou seja, o país vive do níquel, primordialmente. Turismo é outra indústria forte, vale lembrar.

Pela costa do níquel

E foi turistando sem intenção que nós chegamos no níquel. Ou melhor, nas minas. O fato é que o mapa rodoviário da Nova Caledônia indica que há apenas 4 estradas asfaltadas que cruzam a ilha principal no sentido leste-oeste – sendo que a mais ao sul funciona em sentido único em certos horários do dia, por conta do tráfego de caminhões com níquel. Ou seja, descartada imediatamente dos nossos planos. (A 5a estrada mais ao sul, saindo de Thio, é praticamente toda dedicada ao tráfego de caminhões, e em estado precário de sinalização e conservação, de acordo com nossa amiga que mora em Noumea.) Como o país é bastante montanhoso no centro, obrigatoriamente há de se cruzar a serra para chegar do outro lado.

Mapa da Nov Caledônia

Mapa retirado deste link.

De Hienghène a Noumea

Na ida, decidimos ir de Noumea (sudoeste) para Poindimié e Hienghène (nordeste), cerca de 200km, via Koné pela RT1. De lá cruzamos na considerada melhor rodovia, a RPN2, para chegar até Poindimié. Só que na volta, decidimos vir por outra estrada, a RPN6. Queríamos conhecer novos caminhos. Afinal, a gente sempre faz isso quando possível. E foi aí que a aventura começou.

Araucárias endêmicas na costa do níquel - Nova Caledônia

Heróis da resistência: araucárias endêmicas da Nova Caledônia no topo de um morro devastado. O solo é riquíssimo em níquel.

Nossa idéia era cruzarmos de volta à costa oeste pela estrada em Houailou. Acontece que, com exceção de Noumea e das cidades principais da costa oeste, a Nova Caledônia tem sinalização super-deficitária. Sob chuva persistente, enquanto dirigíamos pela RPN3, perdemos a entrada da RPN6 em Houailou e continuamos dirigindo até Kouaoua.

A mineração de níquel começa logo depois de Houailou, e se estende até o extremo sul da ilha de Grand Terre, a principal do país. Nos demos conta do engano quando a transformação da paisagem ficou evidente. Passou de verde montanhosa contínua para uma enorme mina avermelhada intercalada com poucas araucárias.

Costa do níquel no sul do Pacífico

O níquel  e o sul do Pacífico.

Erosão vermelha

Morro atrás de morro completamente escavado, erodido. A sensação era de se estar numa Serra Pelada à beira-mar, uma mistura bizarra, onde ainda víamos o azul lindo característico do Pacífico Sul à nossa esquerda. Nos meus olhos de curiosa, foi muito válido ver um pouco do país além das praias paradisíacas. Os poucos vilarejos por onde passávamos tinham uma camada permanente de pó avermelhado nas construções. O cenário não deixou de ser interessante, apesar de ambientalmente perturbador e impactante.

Estrada do níquel - Nova Caledônia

A estrada já foi de asfalto. Hoje, uma camada de cascalho fino de níquel a cobre, o que a torna bem perigosa.

Reflexões sobre o níquel da Nova Caledônia

Por horas até Noumea, após passarmos aquele trecho impressionante, ficamos refletindo sobre a paisagem completamente alterada pela erosão. Sobre os problemas ambientais gerados para a biodiversidade e de saúde para a população. Sobre as minas abandonadas e a importância econômica do níquel pro país e pro mundo. Principalmente, o quanto nem lembramos daqueles vilarejos cobertos de níquel quando vamos à loja comprar pilhas recarregáveis ou produtos de aço inoxidável. Bastante food for thought on the road.

A estrada sobe e desce os morros, em curvas bem fechadas à beira de precipícios, sem acostamento ou asfalto – boa parte do trajeto é cascalho (mesmo no mapa estando indicada como asfalto…). Ou seja, extremamente perigosa. Gastamos horas para atravessar. Mas valeu a pena a serendipidade do roteiro, que nos forçou a entrar em contato com uma parte do país que durante o planejamento da viagem já me aguçava a curiosidade, visto que é parte fundamental da economia do país. Um pequeno erro que se tornou um grande acerto. Porque viajar também é se incomodar, fazer pensar – e muitas vezes, repensar.

Na costa do níquel - Baía de Kouaoua

Um trecho da Costa do Níquel não tão devastado pela mineração. Ao fundo, a baía de Kouaoua. Visual surpreendente numa estrada do qual pouco se esperava.

Tudo de bom sempre.


Marque seu hotel em Noumea pelo Booking.

Alugue seu carro em Noumea pela RentCars.

Compre sua passagem aérea para a Nova Caledônia pela Viajanet.

Proteja sua viagem à Nova Caledônia com um seguro de viagem da Seguros Promo.


P.S.

  • A mineração de níquel foi feita por décadas de maneira predatória, pensando pouco no ambiente. Da década de 90 para cá, novas técnicas de extração permitiram que a atividade se tornasse um pouco menos danosa ao ambiente. Muitas minas que utilizavam técnicas agora ultrapassadas foram fechadas/abandonadas. Entretanto, o dano à paisagem já estava consolidado. Nós passamos por algumas delas pela estrada perto de Kouaoua. 
  • Boa parte dos dados citados no post foram tirados da Wikipedia e deste documento da United Nations University.
  • Ganha uma mariola quem adivinhar que mineradora brasileira esteve envolvida na construção e exploração da mina de Goro, a maior mina de níquel da Nova Caledônia. Este foi, aliás, o projeto mais caro da empresa no mundo. E que também tem lá seus problemas obscuros, como em outras pairagens bem mais próximas. 
  • Um relatório de 1986 da Comissão do Sul do Pacífico já citava a mineração de níquel no sul da Nova Caledônia como potencial causadora de danos significativos aos recifes de corais e ao ecossistema das regiões costeiras. Lembremos que os corais de lá são patrimônio natural da humanidade e que o turismo de mergulho e atividades aquáticas afins é relativamente forte. Portanto, é fundamental que se continue investigando as consequências a longo prazo que a mineração, a erosão do solo e a poluição do processamento de níquel causarão aos recifes de corais do país.
  • Apesar da exploração de níquel estar concentrada no sul da Nova Caledônia, a ilha inteira de Gran Terre tem o solo bastante rico no mineral. Nossa amiga que mora lá comentou que as projeções indicam que, explorado na velocidade atual, ainda haverá níquel para pelo menos os próximos 100 anos. Já a geografia do país e a qualidade ambiental e de vida, são outros 500…

Booking.com


519
×Fechar