Nos passos de Berzelius e do Nobel em Estocolmo

por: Lucia Malla Biomédicas, Ciência, Molléculas da vida, Suécia, Viagens

Nos passos de Berzelius e do Nobel em Estocolmo - Se2017

Hoje é o Dia do Biólogo. Para celebrar, vou contar minha última aventura nesta profissão querida que abracei. Estive em meados de agosto viajando pela Europa e o motivo principal desta viagem foi a participação no Selenium 2017, em Estocolmo. Este congresso ocorre de 4 em 4 anos (como a Copa do Mundo!). E é 100% dedicado ao selênio, um micronutriente tão complexo e necessário para nossa saúde. Que por conseguinte também é o foco principal da minha pesquisa biomédica há quase 2 décadas.

No congresso, tive enfim a oportunidade de apresentar um poster e um seminário de 15 minutos sobre meu trabalho.

Para saber mais especificamente sobre meu envolvimento com o selênio, leia estes posts.

A Estocolmo de Berzelius

A história de Berzelius contada na Aula Medica, a sala de seminários do prêmio Nobel.

Um dos highlights deste congresso foi a comemoração dos 200 anos da descoberta do selênio pelo químico sueco Jacob Berzelius. Por isso, a escolha do local do congresso foi indiscutível.

Berzelius trabalhou no Karolinska Institutet em Estocolmo, onde nosso congresso de selênio aconteceu. Além disso, ele também descobriu outros elementos químicos, como o tório. Principalmente, é celebrado como um dos maiores químicos que já passaram por este planeta.

Nos passos de Berzelius e do Nobel em Estocolmo - Estátua de Berzelius

Estátua de Berzelius no Berzelii Park em Estocolmo.

E, é claro, por conta deste currículo invejável, é uma das figuras mais celebradas da história da Suécia. No centro de Estocolmo, por esemplo, visitei o Berzelii Park, cuja atração central é a estátua em homenagem a Berzelius.

No Karolinska Instituet

Aula Medica Nobel

As palestras mais importantes do congresso foram realizadas no Aula Medica. Este é o prédio onde todos os anos são proferidas as palestras científicas de quem recebe o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina. Você pode assistir a todas elas no site do Nobel.

Além da emoção de estar em uma sala tão importante para a ciência mundial, também me encantei com o prédio do Aula Medica. Esta obra arquitetonicamente espetacular foi desenhada por Gert Wingård. Não cansei de fotografar o prédio, por dentro e por fora. De cada ângulo, uma novidade. (E me lembrou um pouco as bandeirinhas do Volpi, que amo. <3 )

 

Aula Medica.

Na escadaria do Aula Medica ficava passando um vídeo psicodélico. Inspirador?

A casa onde o selênio começou

Durante o Congresso, nós selenólogos (como chamamos amigavelmente quem pesquisa selênio) fizemos uma excursão até Gripsholm, na região de Solna, nos arredores de Estocolmo. É neste local onde se encontra o prédio específico em que Berzelius descobriu o selênio em 1817. Que é praticamente um galpão, onde antigamente funcionava uma fábrica de produção de ácido acético para formação de álcool. O álcool era usado para fazer aquavita, a bebida predileta dos vikings escandinavos.

Berzelius

Nesta pequena casinha branca funcionava em 1817 o laboratório em que Berzelius trabalhava. Ali, ele descobriu o selênio. #MuitoAmor

Foi divertido presenciar o momento em que um bando de selenólogos se deparou frente a frente com o galpão do Berzelius, fazendo uma farra sem fim. Parecíamos um bando de crianças na Disney, tirando milhares de selfies e com sorrisos maiores que o universo químico.

Castelo de Gripsholm.

Parênteses

Gripsholm também é famosa pelo Castelo Real de Gripsholm, uma construção lindinha que fica à beira do lago Mälaren. Este castelo ainda fica à disposição do rei sueco para uso a seu belprazer. Mesmo havendo um museu ali dentro aberto aos plebeus. Do lado de fora do castelo, ficam duas pedras rúnicas. Estes registros arqueológicos dos antigos vikings eram sua forma cultural de celebrar alguém que morreu.

Pedra rúnica de Gripsholm.

Banquete no Golden Room do prêmio Nobel

O banquete do congresso foi outro highlight destes dias na Suécia. Oferecido pela Prefeitura de Estocolmo, aconteceu no Golden Room do prédio da Prefeitura. Este é o mesmo salão onde os agraciados com o Prêmio Nobel passam a noite dançando após o banquete oficial do Prêmio todo dezembro. Ou seja, é o salão da festa.

Prefeitura de Estocolmo.

Salão Azul, onde acontece o banquete do Prêmio Nobel. Tem uma historinha bonitinha de porque o salão, que é vermelho, chama-se azul.

Golden Hall, onde ocorre a dança do Prêmio Nobel, e onde foi nosso banquete.

A sensação de estar ali naquela sala por onde passaram tantas sumidades e mentes brilhantes que admirei ou admiro em momentos descontraídos foi de inenarrável felicidade. Muita gratidão mesmo por tamanha honraria. Sem falar que a comida sueca foi de primeiríssima qualidade. Um buffet enorme de beterrabas, queijos e conservas temperadas com endro, que adoro.

Minha arte no congresso

Apresentando seminário de selênio.

Para este congresso, apresentei um poster e um seminário. Ambos foram bem recebidos, com perguntas pertinentes e sugestões extremamente interessantes. Apesar de um pouco nervosa na apresentação oral (foi a primeira da manhã, e quase cheguei atrasada porque não ouvi o alarme), saí de ambas as apresentações com ótimas ideias para os próximos passos. Este é sem dúvida um dos objetivos de um congresso científico, afinal. Te abrir os horizontes com ideias novas de colegas gabaritados para discutir o assunto.

Também sou destas pessoas que para se concentrar em ciência precisam de alguma conexão com a arte. Então decidi da maneira mais malla possível que neste congresso meu “tema de fundo” seria Mondrian, artista que amo tanto e de linhas tão simplificadas. Dado que meu trabalho tem um tanto de abstrato e requer que chegue num bottom line ultra-simplificado, achei que as linhas claras de Mondrian representavam bem os desafios da minha pesquisa. (Momento viagem #NaMaionese)

Tanto meu poster quanto meu seminário tiveram designs inspirados na obra do pintor holandês. Fui elogiada por esta escolha pelos pesquisadores europeus, por fim. Um deles falou: todo mundo precisa de arte a todo momento. Verdade. E é bom, portanto, sermos lembrados disso durante um congresso. (Esse pesquisador era definitivamente do meu time…)

Uma pitada de avant-garde em Estocolmo

Mas não foi só esta arte que rolou. Na noite de abertura do congresso, um grupo de neurocientistas do Karolinska Institutet montaram uma apresentação de avant-garde chamada “Probing the mind of Berzelius”. A apresentação basicamente lia o texto do artigo original de 1817 do Berzelius via ondas de EEG do cérebro de um dos músicos, o francês Samon Takahashi. (Mais detalhes deste experimento musical aqui.)

A maioria do pessoal do congresso não entendeu/ não curtiu. Entretanto, eu particularmente adorei. Mas sou suspeita, porque afinal curto música experimental à beça. Além disso, avant-garde é um estilo para “incomodar” os limites estabelecidos mesmo.

Nos passos de Berzelius e do Nobel em Estocolmo - campus do Karolinska Instituet

Campus do Karolinska Institutet no verão.

O congresso aconteceu por 5 dias, todos de muita discussão e diversão em Estocolmo. Afinal, um congresso científico nunca é apenas para falar de ciência. Engloba network, conhecer novos pesquisadores e suas ideias inovadoras, e além disso, rever os amigos cientistas de outros cantos do mundo que falam nossa mesma língua científica. Aquela meia dúzia de gente que entende os jargões e os percalços que passamos. É criar enfim um senso de (micro)comunidade em cima de um assunto tãotãotão especializado.

E que venha então o próximo congresso de selênio daqui a 4 anos – no Havaí. 😉

Tudo de bom Sempre.

P.S.

Compre sua passagem aérea para Estocolmo pela Viajanet.

Faça sua reserva de hotel em Estocolmo pelo Booking.

Reserve seu carro alugado em Estocolmo pela RentCars.



298
×Fechar