Como visitar o Great Blue Hole de Belize

por: Lucia Malla América Latina, Belize

Todos sabem que sou apaixonada pelo mar. Tanto em cima da linha d’água quanto embaixo. Então um dos meus sonhos viajantes sempre foi visitar o Great Blue Hole de Belize, também conhecido em português como o Grande Buraco Azul.

Great Blue Hole de Belize: patrimônio natural da humanidade.

O que é o Great Blue Hole?

O Great Blue Hole é o maior buraco marinho do planeta. Sua formação geológica é super-interessante. Basicamente aquela área do planeta era seca há aproximadamente 150.000 anos. Ou melhor, o nível do mar era cerca de 200 metros pra baixo. Aos poucos, entretanto, o mar subiu, o teto daquela caverna terrestre colapsou, se encheu de água do mar e virou o Great Blue Hole que vemos hoje. São 124 metros de profundidade e 318 metros de diâmetro de um círculo praticamente perfeito e azul profundo. Lindo é pouco para definir.

Não há muitos buracos azuis com esta formação peculiar no mundo. Para torná-lo ainda mais atraente aos apaixonados pelo mar, o Great Blue Hole é parte da Grande Barreira de Corais de Belize, considerada a segunda mais extensa do mundo. É muito azul para um coração só. <3

A Grande Barreira de Corais de Belize, aliás, é patrimônio mundial natural da UNESCO desde 1996. Com isso, o Great Blue Hole de tabela também é um monumento natural. Mais que merecido, por sinal.

Como chegar no Great Blue Hole de Belize

O Great Blue Hole fica no Lighthouse Reef, há cerca de 70 km da costa de Belize. De San Pedro ou Caye Caulker, onde a maior parte dos hotéis de praia está, são cerca de 100 km. Ou seja, é mar à beça até o Great Blue Hole.

Por causa da distância, há portanto duas opções para visitar o Great Blue Hole. Pode-se fazer um vôo panorâmico ou fazer um tour de barco até lá. No tour de barco, você tem a oportunidade de fazer um mergulho ou snorkel no Great Blue Hole.

Como visitar o Great Blue Hole era um sonho azul da minha vida, eu fiz os dois. E conto aqui para vocês o que achei de cada um.

Vôo panorâmico

A imagem tradicional que vemos em todo folheto de turismo de Belize do Great Blue Hole foi feita do ar. Só de cima, temos aquela visão do círculo perfeito que é esta maravilha natural. Então, se você quer ver o Great Blue Hole daquele jeito, precisa marcar um vôo panorâmico.

Visitar Great Blue Hole - vôo panorâmico
Uma Malla no Great Blue Hole de Belize.

Mas já aviso: o preço é salgado. Porém, vale cada centavo, em minha opinião. Enquanto no passeio de barco a gente tem uma noção “interna” do Great Blue Hole, a visão geral que temos do céu é muito mais impactante.

Qual empresa escolher?

Nós ficamos hospedados em San Pedro, e saindo do aeroporto de lá duas empresas fazem o vôo panorâmico, a Maya Island Air e a Tropic Air. Ambas empresas usam aviões para 11 passageiros, e todo mundo senta na janela. O passeio é de uma hora de duração. A Maya Air faz vôos para ver o Great Blue Hole às segundas, quartas e quintas, enquanto a Tropic Air faz às terças, quartas e domingos.

Saindo de Belize City, apenas a Tropic Air leva até o Blue Hole. E apenas às terças, quartas e domingos. Além disso, há uma empresa de helicóptero que faz vôos panorâmicos, a Astrum Helicopters.

Nosso vôo panorâmico

Baseado no nosso planejamento de viagem, escolhemos voar com a Tropic Air numa quarta-feira. O vôo saiu às 11h da manhã e nosso vôo estava lotado. Sentamos lá no fundão. O tempo em San Pedro não estava dos melhores e meu receio era de que chegássemos no Blue Hole e ele estivesse… cinzento.

Atol de Turneffe - Belize
Vista aérea do atol de Turneffe.

No trajeto aéreo, sobrevoamos primeiro o atol de Turneffe. Mas assim que o atol de Lighthouse começou a aparecer no horizonte, o sol aparecia exatamente em cima do Great Blue Hole! E o avião pode dar suas voltas no entorno do buraco mais azul do planeta…

Grande Buraco Azul de Belize
Great Blue Hole. Ou: a menina de tranças e gravatinha. 😀

O Great Blue Hole impressiona demais. Principalmente pela circunferência quase perfeita. E pelos corais ao redor, que parecem formar o cabelo com tranças e uma gravatinha de uma garota. #PareidoliaFeelings

Mas o que também impressiona é o Lighthouse Reef, onde está o Blue Hole. Visto no todo, o Great Blue Hole é um “detalhe” de um recife incrível. Há um naufrágio em uma das extremidades do recife do Blue Hole que é uma tentação de mergulho ao redor…

Naufrágio LIghthouse Reef - Belize
Naufrágio na Grande Barreira de Corais Belizenha.

No avião, eu era puro sorrisos. Absorvi cada segundo de memória cerebral registrando o Great Blue Hole. Era a visão do meu sonho, agora realizado. Felicidade definiu totalmente o momento.

Passeio de barco

A outra opção para visitar o Great Blue Hole de Belize é fazer um passeio de barco. Neste passeio, há duas possibilidades de atividades: mergulho autônomo ou snorkel.

Em San Pedro, várias empresas de mergulho oferecem este passeio. Inclusive, coordenam entre si as datas, de modo que se um cliente quer ir numa data que a empresa não oferece, eles podem entrar em contato com as outras para saber as datas deles.

Amigos del Mar - San Pedro - Belize
Em San Pedro, a bandeira da operadora Amigos Del Mar é bem discreta… 😀

Apesar de termos feitos nossos mergulhos em Belize com a Belize Pro Dive Center, o day trip para visitar o Great Blue Hole nós fizemos com a Amigos Del Mar. Porque eles eram a empresa que iam fazer o passeio na data que queríamos. O passeio custou US$260,00 e as taxas do parque nacional são pagas à parte – $40,00 belizenhos por pessoa, pagas em dinheiro apenas.

Barco para visitar o Great Blue Hole
O barco da direita é o da Amigos Del Mar.

Além disso, a Amigos tem o maior barco de San Pedro. E acredite: isso faz a maior diferença.

Como é o day trip para o Great Blue Hole de Belize

Como disse ali em cima, o Blue Hole está a quase 100 km da costa de San Pedro. É longe, portanto. O que torna esse passeio super-longo. É um dia inteiro mesmo, saindo 5 da manhã do seu hotel (eles te buscam no hotel) e voltando quase 17h, dependendo das condições do mar. Eu adoro passar o dia no meio do oceano, mas reconheço que pode ser cansativo para quem não está acostumado a estas aventuras.

Visitar Great Blue Hole - de barco
Prepare-se para balançar na travessia de barco por duas horas.

Mais: a travessia até lá é em mar aberto. E o mar, mesmo em dias “calmos”, vai balançar. Portanto, é importante se preparar para uma viagem agitada. O barco maior ajuda a travessia a ser um pouco mais estável, mas não espere muita “estabilização”. Para quem enjoa em barco, tomar um remédio antes de começar o passeio é fundamental. Levar também algo pra se distrair também é uma boa, porque são duas horas de trajeto da costa até o Lighthouse Reef onde está o Blue Hole.

No dia em que fomos, estava nubladérrimo. Ventava e o mar não estava calmo. Para cortar caminho, nosso barco passou por dentro da laguna do atol de Turneffe, que fica a aproximadamente 2/3 do caminho. Isso evitou pelo menos por meia hora o balanço exagerado do mar.

Dentro do Great Blue Hole

Depois da travessia, a primeira parada é no Great Blue Hole. E foi aí que percebi a boa decisão de ter visto primeiro o Blue Hole de cima. Porque quando o barco está dentro do Great Blue Hole, principalmente num dia cinzento… Não tem muita diferença do resto do mar. Ou seja, pode ser decepcionante se você esperava ver aquele círculo perfeitinho.

Visitra Great Blue Hole por dentro
A foto foi tirada de dentro do Great Blue Hole… dá pra perceber? (Não, não dá.)

(O círculo é quase perfeito, mas o enorme diâmetro não te permite visualizar isso com tanta clareza de dentro do Blue Hole.)

O snorkel no Blue Hole consiste em cair na água perto de uma das bordas do Blue Hole e dar a volta snorkelando por toda a sua circunferência. Nós íamos fazar o mergulho autônomo, portanto a estratégia na água era outra.

O mergulho no Great Blue Hole

Mergulhar no Great Blue Hole está na lista de 11 entre 10 mergulhadores do mundo. E não é por menos: o local é realmente uma maravilha da natureza. Mas é bom diminuir um pouco as expectativas. Explico por quê.

Visitar Great Blue Hole - mergulho
Uma Malla e sua lanterna: a 40 metros de profundidade, admirando as estalactites do Great Blue Hole de Belize.

Mergulho profundo

Em primeiro lugar, o mergulho é profundo. O local onde as cavernas mais bacanas e acessíveis estão é a 40 metros de profundidade. Portanto, é um mergulho curtíssimo. Você cai na água, desce, fica a 40 metros no máximo por 8 minutos, e começa então a subida vagarosa, para evitar problemas de descompressão. Ficamos na parada de segurança a 5 metros de profundidade por 10 minutos.

Apesar do mergulho profundo, as operadoras não exigem certificação de mergulho avançado. Embora se você tiver, é preferível. São vários guias na água, cada um com no máximo 6 pessoas para tomar conta.

A maravilha é geológica

Em segundo lugar, o mergulho é para ver estalactites e estalagmites – ou seja, é um mergulho geológico. Não espere grandes cardumes nem muitos corais coloridos. O Great Blue Hole é uma maravilha geológica, e é isso que você vê. Na parede onde a gente mergulha, há algumas poucas encrustações, mas o destaque mesmo são para as estruturas de estalactites e estalagmites.

No escuro

Por último, por ser quase uma caverna, um pedaço do mergulho é escuro. Nesse sentido, o mergulho no Blue Hole me lembrou bastante o mergulho nos cenotes mexicanos. Porque você não está em momento algum completamente enclausurado, mas a escuridão existe em certos momentos para dar aquele friozinho na barriga.

Dica: As operadoras não incluem lanterna no equipamento para mergulho. Eu viajo sempre com meu equipamento próprio, então tinha uma lanterna no bolso do meu colete. Achei que foi ótimo ter a lanterna, não só para clarear um pouco o Blue Hole, como para ver os detalhes das paredes – que são, sim, coloridas de encrustrações.

Eu amei muito o mergulho no Blue Hole. Se você olhar pelos fóruns da internet, lerá que muita gente sai frustrada deste mergulho, por criar uma expectativa gigantesca de ver grandes bichos. Já sabendo que não veria muita coisa, fui com uma expectativa menor. O que me fez aproveitar mais a perspectiva geológica e curtir o mergulho sem preocupações. Recomendo demais.

Os outros mergulhos do dia

Passado “o” mergulho pelo qual você está ali, o passeio de barco continua com mais dois mergulhos no Lighthouse Reef. Que, lembremos, é parte crucial da Grande Barreira de Corais de Belize, maravilha natural do planeta. Portanto, são mergulhos espetaculares.

Grande Barreira de Corais de Belize
Um peixe-vaca nada entre os corais da Grande Barreira de Corais de Belize, patrimônio natural da humanidade.

O primeiro point que fizemos foi o Half Moon Caye Wall, cuja profundidade máxima é ~18 metros. Neste paredão, a biodiversidade é estonteante. São inúmeros corais, esponjas e muitos peixes. O mergulho começa num ponto de “grama”, onde as tartarugas gostam de ficar. Depois aparece o paredão e os cânions entre eles. Nos cânions, tubarões e outros peixes enormes. Absolutamente sensacional.

O segundo point de mergulho foi o Aquarium. Como o nome sugere, é um verdadeiro aquário, onde a gente vê muitos peixes. Surpreendentemente, neste mergulho vimos uma moréia fora da toca nadando. E a moréia parecia estar seguindo a gente, por um tempão. Além desta moréia, vimos tubarões e mais um tantão de corais.

Aliás, esse foi um dos destaques da viagem a Belize para mim. Porque na atual conjuntura da grave situação dos oceanos por conta das mudanças climáticas, perceber que os recifes de Belize ainda estão relativamente saudáveis foi um alívio. Ou talvez sofrendo menos seja um melhor termo, já que acidificação dos oceanos e aumento da temperatura são estresses gerais no mundo inteiro.

Almoço no Half Moon Caye

Entre os dois mergulhos acima, ocorre a parada de almoço. O barco nos levou até o Half Moon Caye, uma ilhota do Lighthouse Reef que também é protegida como Reserva Natural.

Half Moon Caye
Almoço em Half Moon Caye. Nada mal, não?

O almoço é servido no barco, mas quem quiser pode comer nas mesas de piquenique que ficam perto da praia.

O mais interessante no Half Moon Caye, porém, é a trilha pela beira da praia que leva ao Santuário de Atobás-da-Pata-Vermelha (Sula sula). A trilha é curtíssima, menos de 15 minutos se andarmos devagar. Ao final dela, há uma torre de observação em madeira. Não deixe de subir nela.

Atobá da pata vermelha
Um atobá-da-pata-vermelha em seu ninho.

Porque a surpresa é certa. Do alto, a gente vê de perto na copa das árvores dezenas de atobás-da-pata-vermelha. Half Moon Caye é o único local no ocidente onde estes animais se aninham e reproduzem. Todos os demais estão no lado oriental do planeta. Portanto, vale muito a pena tirar pelo menos 10 minutos da sua passagem por Half Moon Caye para admirar estas aves no ambiente natural delas.

A volta do passeio de barco

Depois do mergulho no Aquarium, começa o longo processo de volta pra casa. Que são mais duas horas de mar balançando.

Entretanto, como ninguém mais vai mergulhar naquele dia, a operadora anima a volta pra casa da maneira mais eficiente possível. E oferece para quem quiser uma mistura de rum de côco belizenho com suco de abacaxi, que é uma versão simplificada do clássico drink de Belize panty ripper. Animados pelo deslumbre da região e dos mergulhos, pela avistagem de aves aninhadas e agora pelo índice etílico, a volta de barco parece muito mais rápida que a ida… 😀

Panty ripper no barco
Improvisando panty rippers no barco. Para celebrar uma aventura sensacional ao Grande Buraco Azul de Belize.

Em conclusão

No geral, acho que o ideal é fazer os dois passeios, tanto aéreo quanto de barco. Porque em cada um deles você explora o Great Blue Hole de uma perspectiva diferente. Entretanto, entendo que fazer os dois é puxado no orçamento de viagem.

Aos que vão a Belize, espero que este post ajude na tomada de decisão sobre qual é a melhor forma para você visitar o Great Blue Hole. Meu conselho é: estando em Belize, não deixe MESMO de ver esta maravilha natural de pelo menos uma dessas maneiras. Garanto que valerá a pena.

Tudo de azul sempre.

Booking.com


63
×Fechar