Umas com tanto, outras com nada

por: Lucia Malla Memes, listas & blogagens coletivas

Este post faz parte da blogagem coletiva “Umas com tanto, outras com nada” que começou a ser coordenada semanas atrás, numa conversa pelo twitter entre a Cláudia, a Natalie, a Carina, a Patricia, a Carmem e a Marcie. Nesta conversa, surgiu a idéia de listar os lugares que cada uma considerava “viu-tá-visto”. Aí a conversa evoluiu e dedidiram fazer também uma segunda lista – com cidades ou países para onde voltariam sempre. Como a idéia parecia boa, uma comentou aqui, outra comentou ali… no fim, a notícia se espalhou e conquistou dezenas de adeptos. Diante disso, decidiu-se fazer uma blogagem coletiva for fun.

E eu, como adoro uma lista de farra, não podia ficar de fora, né?

Então aí vão minhas respostas.

Outras com nada: Cidades para onde não pretendo voltar

Sendo extremamente pragmática, inclui praticamente todas que eu já conheço do planeta. Por um motivo simples: eu sofro da síndrome do “eu-nunca-fui-quero-conhecer-pelo-menos-uma-vez-na-vida”, que é esta ansiedade enorme de desbravar os milhões de recantos e esquinas do nosso planetinha azul (em terra e mar, o que é pior). Pra amenizar um pouco essa ânsia, só viajando sempre pra um lugar onde nunca fui antes. Portanto, no geral, um destino vai me interessar se eu nunca fui nele, a priori.

Mas, é claro, tem aquelas cidades pra onde eu realmente não penso em voltar mesmo. Dentro dessa lista, duas portanto se destacam.

Caxambu

Adoro Minas Gerais, de paixão. Morei por 5 anos na Zona da Mata mineira, e curti cada segundo que lá vivi. Entretanto, fui pelo menos 5 vezes a Caxambu. Sempre a trabalho, nos inúmeros congressos de genética e bioquímica que aconteciam por lá. (Felizmente as Sociedades Brasileiras de ambas as disciplinas acordaram pra realidade resolveram compartilhar os congressos com outras cidades brasileiras – os cientistas, aliás, agradecem até hoje!). Da primeira vez que fui, animada com a novidade, fiquei um dia a mais para curtir a cidade.

Curtir o quê mesmo? Porque em todas as vezes que por lá passei, fui mal recebida em hotéis e restaurantes. Atendimento péssimo – e olha que minha flexibilidade e paciência são históricas. Por causa disso, portanto, não penso em voltar lá. Nem de passagem. Se estiver de passagem, prefiro aliás viajar mais um cadiquim de nada e parar em Cambuquira ou São Lourenço, que são pertinho e bem mais interessantes.

Beijing

Outras com nada - Beijing - Muralha da China
Muralha: vista.

Imagino que em algum momento da minha vida terei que voltar lá, certamente a trabalho ou em conexão. Mas não será por escolha pessoal. Veja bem, eu adorei a China. Mesmo. Mas, ao mesmo tempo que adorei conhecer, percebi que Beijing uma vez só já me bastava, afinal. A Muralha é linda, a Praça da Paz Celestial é monumental, a Cidade Proibida mais monumental ainda. Mas tá visto. Se tiver que voltar a China, prefiro portanto ir para Hainan Island ou encarar logo uma viagem até o Tibet. Ou voltar a Hong Kong, que é muito legal.

Umas com tanto: Cidades onde eu voltaria sempre

Apesar da síndrome citada acima, há diversos – e põe diversos nisso! – lugares do mundo que eu simplesmente amo de paixão e para os quais voltaria a qualquer momento, se oportunidade tivesse. Entretanto, há 3 cidades (excluindo a que moro, muito adorada e pra onde já voltei) que eu voltaria sempre que possível, por diferentes razões. São elas as que estão aí abaixo.

Vila Velha (ES)

Umas com tanto - Convento Nossa Senhora da Penha - Vila Velha - ES
Convento da Penha em Vila Velha.

Porque é a minha cidade, onde fica a minha praia, onde estão as minhas raízes. Principalmente, há uma conexão emocional muito mais forte com esta cidade que a torna infinita em minha memória. E Vila Velha se torna sempre passível de revisita. Cheia de nostalgia, mas ainda assim, revisita.

Berlim

É a cidade mais incrível da Europa, em minha opinião. Também cheia de laços afetivos comigo, pois morei ali do lado, em Potsdam, por um período da minha juventude. Berlim é onde há espaço para todo tipo de personalidade. Onde se respira dicotomia – e se aprende afinal ao vivo e a cores a lidar com esta dualidade, digerindo cada faceta com um molho diferente. Cidade non-stop, cheia de vida e animação. Berlim é uma festa.

E único lugar do mundo onde se vende Berliner Weisse Bier, a melhor cerveja do planeta. 🙂

Nova Iorque

Precisa explicar? A capital do mundo é certamente a cidade número 1 da minha lista de visitas sempre! Então, sabe a síndrome que contei lá em cima? Pois em NY ela se revigora a cada segundo de maneira mais intensa ainda, e em vez de ânsia, essa eterna corrida maluca vira uma diversão e tanto. Porque em cada esquina de NY acontece algo unbelievable a todo momento. E é sempre algo que vai te fazer pensar, rir, pirar, interagir, reagir ou amar. I <3 NY.

Eu passo a bola da pergunta para os demais amigos, para me contar as “umas com tanto, outras com nada” de cada um. Que cidades vocês voltariam e quais cidades não valem a volta?

O pessoal viajante dos blogs respondeu. Sigam então os links aí abaixo para ler.



1009
×Fechar